Sunday, June 25, 2006

Fala a Loucura:

Comprem uns bons óculos e leiam:

http://www.pastimewithgoodcompany.blogspot.com

A Loucura pensava que já ninguém se lembrava da veia poética, que ela tinha inspirado ao seu queridissimo Henrique VIII. Ficou muito contente, em saber que ainda há quem se lembre.

Moria - a Loucura

Sunday, June 11, 2006

Apontamentos de Memórias

A Loucura ergue-se novamente do seu sono sepulcral.


Esta noite não tentarei agradar-vos.
Acordei desgrenhada pelo pó dos séculos passados. Malditas memórias! Que as tumbas não sabem calar! Eu que me ergo, trago em mim o peso do Mundo. Das vidas que vi, serem vividas e decepadas pelo corte da lâmina ardente.Loucos mortais, que julgam ser capazes de sonhar o possivel e concretizar o impossivel.Eu que sou a mais doce Loucura sou também a vossa Morte.A única loucura é a vida, como a levais e tomais, em goles cansados de velhos que se recusam a morrer. Sois loucos, porque vos esqueceis. E Esquecer é morrer. Mortos que cegos desconhecem a imortalidade na sabedoria dos fogos. Morrei, pois! Mortais imundos.


Que se apaguem as luzes, os mortais não têm olhos para as ver.

* Sai a Loucura, revoltada. Bate com a Porta do Norte e quebra os vitrais, é tamanha raiva, que até a Cruz cai e o Cristo se quebra, na força com os corpos se tocam. Navios que chocam em Mar de Sonhos.


Moria - a Loucura